28 de dezembro de 2013


Pela arte de ser odiada, por um grupo que coloca seu nome na cruz. Por gostar de sofrer, ou ter se acostumado. Sinta-se forte, e coloque no chão quem chegar. E fique sozinho o tempo inteiro porque ninguém vai notar! Nada de especial só lembranças mal resolvidas, por ser vigiada vinte e quatro horas, pela confiança que se algum dia existiu foi jogada na lama, por um presente ainda mais triste. Por uma felicidade inaceitável, e inapropriada para um ser tão medíocre. Lágrimas que já não são salgadas e piadas que já não são engraçadas. Por não permitir luto, nem senti medo. Por alguém que acabou com muita coisa na sua vida, e se sua inocência era importante, ou seu estado de espírito nos eixos era necessário, conta. Não desejo a traição ou sinônimos do mesmo, mas tem um vazio grande que pede socorro, porem, a você mesma. Por não poder curar você e suas pernas, e muita coisa parecer explodir. Por tapas e empurrões escondidos de algo que ainda parece arder em você, e tudo pegar fogo. E dígitos que virão e pode acabar com você inteirinha, fazendo os olhares ficarem mais tortos ainda. Saiam e vão subir em cima de outra pessoa, talvez alguém menos valente. A agressividade reina e podem abandonar, ou jogarem no saco que quiserem, mas sabe-se quem é. E me sinto feliz mesmo cambaliando um pouco. Não pelo meus amores, mas por mim. Não para eles, e para sempre, para mim.

19 de dezembro de 2013

Você é inteligente, bonita(o), bem vestida(o), madura(o), engraçada(o) e simpática(o). Além disso, tem amigos verdadeiros. Querida(o), você é tudo de bom e mais ninguém além de você. Olha, todos estão aqui na fila para ser você, acredite, palavra de mestre! Você só não é nada disso, ou nem tanto quanto pensa. Elogiar outra pessoa, ou deixar alguém que você grita amor pelo sete cantos do planeta fazer isso não é pecado viu!? Eu posso até tentar entender que seja difícil para você que é tão contraditória(o), para não dizer hipócrita aceitar outras pessoas se saindo um pouquinho na frente. Por isso estou aqui orando por você e suas mini respostas, é sério chuchu. Beijos!
16 de dezembro de 2013

Por uma fase que está indo embora, por desejar pessoas mais corajosas no mundo e por último mas não menos importante, por pessoas mais francas.
Muitos tempos, simples e compostos, são facilmente explicados, contudo esse teu não parece fazer sentido. Essa corrente aparece às vezes claramente ou expressando diferenças delicadas, e dessa forma não consigo entender, logo eu me pergunto se será ignorância minha e de boa parte das pessoas que te cercam, ou é minha razão certa e concreta. Em alguns momentos, a ideia de tempo, é caracteristica de determinada forma verbal, e se tem uma coisa que me causa rancor é você tentando me agradar sem querer, o agrado da obrigação. Porque assim está, por assim dizer, afundado, minha capacidade de me sentir feliz. Se não for me dito o que se passa, logo, só respiro raiva mesmo. Prefiro que me grite um não. Nem sempre é fácil saber se isso se trata da sua forma de expressar o que sente, mas eu na maioria das vezes procuro não ser escrota do lado de vocês (é, agora o sujeito estirado na mira é mais de uma pessoa), contudo, venho sentindo é vergonha alheia. Se olhem um pouco de longe, analisem esses comportamentos um pouquinho. Porque o que eu venha a ter de ''burra'', eu tenho de força e maturidade para te responder. E tu? Se esconde achando que isso é bonito. 
É por me bastar que eu não fico triste por essas e outros afins, é por não mais centralizar tanto algumas pessoas que estou bem. E melhor ainda por saber que as desculpas não devem partir de mim, então é só ficar tranquila. Aprender a se desculpar é, em grandes porcentagens, se não principalmente, aprender a raciocinar, aprender a encontrar soluções e a concatená-las, pois, assim como não existe chances de dar o que se tem, não se pode transmitir o que a mente não criou ou não abasteceu. Quando as pessoas nos limitam fica ainda mais difícil ser sincero, eu entendo. Então estou aqui caminhando, e quem sabe alguém por ai sai do armário e me acompanha.
27 de novembro de 2013


Sim, já abandonamos e abandonados fomos...
...Cada posição tem seu encanto...
Digo do abandono,esse jogo-gangorra de desdobramentos onde revezamos papéis...
Onde ficam as declarações de amor? Em que terra fértil se enterram as promessas dos amantes?
O amor tem dessas coisas...
Tudo tão intenso e inesgotável... até que acaba... (Bruta Flor)

9 de novembro de 2013



Cheiro de chuva que apetece a vida, mesmo nos piores momentos, quando chove me sinto viva, logo, feliz. Já notou todas as marcas nas minhas pernas, ou as veias do meu rosto? Eu estou aqui e nada parece mais delicado que isso. Porque falo com alfinetes, escrevo no tempo certo, e o melhor de tudo é não precisar de muitos esforços para me sobressair, brilhar por existir. O agora é aquele ar que já se foi que separa o passado do futuro. Na teoria, não tem duração; mas, na realidade, pode ser absorvido como um deslize de tempo mais ou menos longo, se bem que indivisível, e mais próximo do momento em que se fala. Há uma história anterior à outra, e, portanto, mais distante do que estamos vivendo nesse segundo, que se traduz no pretérito mais-que-perfeito, porem, eu gosto mais do que chegou junto ao presente. Essas são minhas cartas, sempre estarei aqui para qualquer duvida próxima a mim. E nada pode apagar ou fazer parar além de mim. E mesmo que morra, creio que já escrevi sobre quase tudo. Não tem nada de tão novo assim, são as mesmas histórias de outras pessoas, mas comigo. Por que classificar como algo tão especial? O amor existe faz tanto tempo, assim como a tristeza, e mais ainda esses dois juntos o ódio.  A parte singular de todas essas laudas talvez esteja comigo e com o mundo em volta. Porque para mais ninguém isso irá importar. É preciso ler e reler os tantos trechos para lhe alcançar um sentindo. Esquecendo as incorreções de ordem ética e outros defeitos de construção, porque não tenho nada de melhor querido, nadinha. Estou aqui para vivermos uma história. Aqui se encontram, elevados, porém, à sua mais alta potência, os traços característicos de um período clássico: é uma interminável série de orações repetidas (mesmo com suas ditas propriedades), desfilando em cacos de vidro, inserindo-se cada pedaço em todos, cortados em numerosas incidências e reflexos, de tal forma que as ideias se atropelam sem discriminação lógica. Acho que já vivi a loucura, mas não me sinto tão atraída por esta, porque sei que é um caminho perigoso e muitas vezes sem volta. Portanto, não me deixe ir, mesmo eu sendo a maior responsável pelos meus atos, não permita que eu seja devorada pelos meus próprios sentimentos, pelas minhas cicatrizes nas pernas ou qualquer outro motivo. Sejamos leais e corajosos. Todo o desprezo que circula diante das veias exteriores me alimenta mais ainda, porque eu vou sempre repetir... Não levo meu nariz empinado para casa. E quem não conhece vocês e essas palavras bonitas que costumam dizer, contudo medíocres, que comprem a paciência de conviver ao seus lados.
5 de novembro de 2013


''Anjo no nome, Angélica na cara!
Isso é ser flor, e anjo juntamente:
Ser Angélica flor, e Anjo florente,
Em quem, se não em vós, se uniformara.

Quem vira uma tal flor, que não a cortara,
De verde pé, da rama florescente;
E quem um Anjo vira tão luzente;
Que por seu Deus não o idolatrara?

Se pois como Anjo sois dos meus altares,
Fôres o meu Custódio, e a minha guarda,
Livrara eu de diabólicos azares.

Mas vejo, que por bela, e por galharda,
Posto que os Anjos nunca dão pesares,
Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda"

(Gregório de Matos)
10 de outubro de 2013


Não importa se teu nariz sangra, se seu corpo todinho treme porque isso não muda nada. Porque não é um entorpecente, não é nada. São memorias que já aconteceram, que são presentes, mas que por muito pouco não serão mais, só faça sua parte e ponto final. Faça como te diziam antes, ''engula o choro'', porque se você for analisar isso é besteira perto de tantas outras coisas mais importantes no mundo. As marcas se vão e seu rosto, braços, pernas ficam e pronto. Não foi a primeira, e por um tempo não será a última, então já era. Ninguém foi enterrado, não tem motivo. É a ''cara contra o bofete'', foi isso que ouvi em suas músicas, foi isso que aprendi na minha curta vida, foi meu nariz empinado, ai você vem e me mostra que não é nada disso, muita contradição. Sabe de uma coisa? Eu já não ligo mais... Mas eu tenho medo de não saber transferir amor, porque o peito encolhe, as vezes eu até chego a me arrepender de ter sido tão imediatista com o agora, quando te digo que é outro nível, não minto e não me gabo. Porque não é bonito, é triste e mata. É agoniante, frio é muita coragem da minha parte ainda conseguir  digerir bom e ruim ao mesmo tempo, é doentio e machuca. O que me preocupa é como tudo isso pode se refletir para mim, e para você, para nós? Existe isso agora ne, nós. Queria saber qual seria seu limite, não te conheço com raiva, nunca te vi furioso. E penso se tu seria capaz de fazer tudo aquilo comigo, será? Todos dizem que não, todos posam ao lado da paz, e sorriem, e saem bem no álbum inteiro. Mas quando sua circulação fica intensa como você reage? E se tiver ao meu lado nessa hora, eu quero saber...
7 de outubro de 2013

Sobre sentir coisas determinadas de horários. Não existem manhãs. As tardes são repletas de tédio, e olhares incansáveis para o relógio. A noite, se resume em adaptação circulatória específica causada pelo desencadeamento de descarga hormonal, que ocorre para suprir a demanda enérgica provocada pelo sentimento. Então, a sensação física é altamente provocante, faz com que haja uma descarga hormonal, de todos os supostos hormônios envolvidos numa resposta de alerta. Eu descarrego no meu sangue adrenalina, cortisol, serotonina e todas as substâncias que estão nesse estado de alerta do organismo. Vou deixar meu corpo pronto, para agir nesse sentido. Essas substâncias causam mudanças especificas em vários órgãos, aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial. Acaba numa sensação de prazer.
Está ai, em linguagem chã mas objetiva, a essência de uma menina, com quase todos os seus ingredientes. Pode servir como tema de uma novela ou conto: basta pormenorizar cada um dos elementos básicos. Portanto há nesses trechos um acúmulo de informações, que você pode ficar desorientado, sua matéria daria pelo menos dois períodos mais claros, com ligeiras adaptações que em nada falseariam o pensamento original: Não sei escolher o que sinto/penso, não acho que você será intenso para mim  
Porque eu me sinto mais vivida que esse envolvimento todo, e não quero te ferir. Porém, tem me feito sentir coisas que eu odeio e duvidei que seria capaz, uma delas é um substantivo masculino (ciúme), e o único jeito que eu encontro para resposta desse sentimento é o contrário, o substantivo feminino (vingança), é essa coisa técnica, são essas palavras que nem eu estou entendendo. Pois a exatidão e a minúcia não constituem sua primordial qualidade, podem até apresentar defeito.
26 de setembro de 2013

Raiva me tira o sono, faz meu nível de açúcar subir e logo tira minha paciência. Não sei o motivo de algumas pessoas subestimarem você, é achar mesmo que tu não fostes capaz de deixa-lo no fundo do poço. Sentir-se insatisfeito nada mais é do que seu organismo pedindo novas energias. Porém, no meu caso não é falta de carboidratos, e sim de uma explicação do por que da omissão de dados já identificados em conversas descuidadas. Não se encontra outra expressão menos rebarbativa para designar essa técnica de iniciar as relações de modo inusitado. É um artifício, um truque, em geral nada eficaz nas mãos de pessoas ingênuas. O mundo é tão surpreendente que se sentir bem, calmo e satisfeito é um tédio. E agora eu sou o que você chama de entretenimento, certo? Não vejo se escrever esse tipo de coisa é necessário, talvez vingança pelo sentimento de fúria que palpita rápido aqui. Eu sou uma menina cansada e com bastante atenção no que está acontecendo, então se você achar que estar num nível superior, sinto muito, muito mesmo. Eu não vejo esse presente repetir o passado, portanto estou alimentando minha insegurança nessa ''nova era''. Se os discursos direito e indireto, como formas de expressão peculiares da nossa parte não acabarem bem, e isso me atingir forte, eu acho que não saberei conversar sobre isso, talvez culpa do signo que pertenço. Isso tudo é uma descrição não apenas pitoresca mas principalmente singularizante da minha falta de confiança com algumas pessoas.
Em síntese, toda essa situação dramática consiste numa sequência de fatos, ações que, envolvendo participação de personagens, se desenrrolaram em determinado lugar e momento de um jeito traumático. O que já disse a respeito da generalização e da especificação, da validade das declarações e dos fatos, pode te ajudar a entender e ter uma ideia do que é meu método indutivo de contar as coisas. E espero que não sinta raiva, porque comparações e exemplos constituem também formas elementares de raciocínio por analogia ou semelhança, destinadas não propriamente a chegar a uma conclusão mais ou menos provável, mas apenas ilustrar ou esclarecer uma proposição, tornando-a mais sensível pelo confrontar com outro fato particular, porém mais conhecido.
Agora respiro calma, e irei dormir.
20 de setembro de 2013

Esse sentimento nos provoca pensamentos de resolução. O homem deve ser o fim de todas as coisas, não pode ser usado como instrumento. Pois o que é efetivamente resolver um problema? O que é falar sobre minhas sensações diárias? Como fazer tudo isso? Se nós analisarmos o passado de nossas relações, notaremos que nós como sujeitos de nossos próprios contextos, somos obrigados a nos colocar como pessoas de fato pensantes. Todo homem deve ter a capacidade de decidir sobre sua existência, sua vida. Para mim é difícil saber sobre o futuro das impressões nesse campo sentimental. Isso porque vivemos nos surpreendendo, com coisas que parecem simples às vezes acabam sendo complicadas, e vice-versa. Elas nos causam certo desconformo, aí devemos acrescentar conclusões inovadoras, na verdade, salvadoras. E viver é uma delas! A gente aprende tentando. Por isso existem situações que rotulamos como '’primeiro amor’’, por que não se esquece? Por que é tão marcante? Porque foi o seu primeiro passo, e quem não se lembra das iniciativas e como absurdo foram? Você será mais um tipo de texto num mar de possibilidades que eu domino e que sou falante ou me mostrará algo novo e tentador? Nós dominamos o amor, e deixamos ele nos dominar também. O que não posso esquecer é que esses princípios dentro do contexto da minha vida pode me dar à possibilidade de ter um diálogo menos truncado do que as pessoas querem ouvir da gente. Eu quero sustentação! Não quero levar meu nariz empinado para casa, e não farei, portanto, não espere que eu de novo vá atrás de qualquer um de vocês. Esse último pensamento, pode-se definir como a particularidade da minha personalidade. O homem não possui preço, não pode ser usado como objeto de troca, quer dizer, para algumas pessoas isso está errado. Daí que surgem desastres nos relacionamentos que sinceramente me causam ânsia. Chega de tristezas que partem de lugar nenhum, e vão para lugar nenhum, e foco no que nos faz feliz. Me mostre o que você tem e vamos seguir em frente.
16 de setembro de 2013


Tu andando comigo parece uma pessoa bastante convincente, digo, sincera. Temos um lugar pra ir e do nada você me dá as mãos e pede pra correr, na ida e na volta e assim se fez. Eu não sei como transformar isso em algo poético e bonito, para mim pode ser de outro jeito. Pode ser nos nossos versos livres, e autoritários de ser, ou na nossa arrogância infinita. Mas você muda com muita incompreensão, já percebeu que nunca está errada? Nunca! Isso e tão chato. Não ande para trás olhando para frente, preste atenção. Queria que tu não fostes passageira como a maioria, mas somos de signos e opiniões  na maior parte do tempo diferentes, temos tendência a brigar com unhas e dentes. Mas para que ficar avaliando esses prazos de validades clichês não é? Que nossa corrida rasgue uma fita de felicidade, por favor.
9 de setembro de 2013

"Querida Jordana, obrigado por deixar-me explorar seu corpo perfeito. Eu poderia beber seu sangue. Você é a única pessoa que eu permitiria ser reduzida a um tamanho microscópico e nadar dentro de mim em um pequeno submarino. Nós perdermos nossa virgindade, mas não foi como perder algo. Você é muito boa pra mim, você é muito boa pra qualquer um. Sinceramente, Oliver."

É plenamente incompreensível quando você tem tudo pra dar certo na sua vida, sendo que não quer fazer porra nenhuma e coloca a culpa em algumas decepções. A autoria do que acontece contigo não é minha, definitivamente, dando ênfase mesmo. Sabe quando está prestes a virar o tabuleiro de raiva por que está perdendo? Ou quando você fica procurando desdenhar alguem que por algum acidente psicótico esteve com você, por raiva, só para se sentir melhor? Sério, isso é muito brega. Isso é muito novela mexicana para mim e a minha nova vida. Eu nem falo de você, nem nada. Qualquer hora vou morrer por consequência da minha ética, da educação que ainda bem recebi em casa. Estou farta disso, não vou mais esperar que um dia cresça, vou ignorar mesmo. O mal do esperto é achar que todo mundo é bobo!

3 de setembro de 2013

''Escrever exige 10% de inspiração, 90% de transpiração. Sim, senhor, escrever é trabalho árduo. Textos são cortados, aumentados, virados pelo avesso, amassados. O texto só brilha depois de muito apanhar.'' 
Você também manifesta-se com um feixe de luz quando coloca um ponto final após uma conclusão bem sucedida. Assim, acredita-se que se existe esforço e vontade, as coisas começam a acontecer de verdade. Boas e ruins. O diferenciar de agora, é que as dificuldades parecem apenas uma goteira numa sala vazia, e não uma tempestade que derruba paredes e leva tudo. Eu ainda sinto inercia do ar, mas de um jeito dissemelhante do que era, é só porque sou chata mesmo, não quero morrer. Vivemos numa época de ímpetos, o delírio fascina e mostra armadilhas. Claro que você vai cair nelas, e coloque plural nisso, porque a experiência é o melhor conselho que a vida pode te dar. Por isso minha sombra é tão especial, porque nela eu vejo o passado, a penumbra de mim mesma. E é tempo de mudanças. Conlui-se que o  seu conhecimento ninguém pode tirar, seus esforços são seus prêmios. Não é o que você pode acumular de material na vida que vai te deixar feliz, mas o que você fez para valer a pena todo sacrifício do inicio do texto. E é com essa conversa evangélica que eu vou continuar seguindo em frente, e você também, só que na direção contrária, para trás...
31 de agosto de 2013


''A gente anistia:
Casinhos que deram uma vacilada
-Namorados cujo fim foi um lixo, mas no final você sacou que foi mais um fim lixo, como quase todos.
-Qualquer pessoa que tenha dado uma pisada na bola, tipo ficado com alguém na sua frente mesmo tendo um caso com você. Ok. Isso é absurdo e infantil e parece enredo da quinta série, mas a gente anistia porque considera a pessoa criança. Ela ainda não tem maioridade e por isso não pode pagar por seus atos.
A gente não anistia
-Torturadores emocionais graves, aqueles que fizeram você cair no fundo do poço em doses de tortura diária que te desestabilizaram.
-Qualquer pessoa que praticou qualquer agressão física. E pegar no braço meio forte já pode, sim, e deve, ser considerado uma agressão.
-E aqueles criminosos reincidentes. Eles, os reis da impunidade. Eles, que acham que podem tudo porque “vai ficar tudo bem” porque, sei lá, ele foi abençoado com o perdão eterno. Desculpe, mas você está exilado. Preso.'' Nina Lemos


Sobre a doença do incômodo...
Não é fácil viver com esse complexo de raiva o tempo inteiro, é porque dificilmente eu tenho a oportunidade de beber ou sair no sábado a noite ou etc. Quando você é obrigado a mudar uma realidade que antes era maravilhosa, para uma nada agradável você entenderá. Não que eu não me sinta bem sozinha.. eu sou ótima, faço coisas ótimas também. Mas quando você tranca a porta do seu quarto e se recusa a sair ou conversar com alguem possível fica difícil. Sabe quando se tem aquela sensação de que está virando uma pessoa chata? Não infeliz, é chata mesmo. Esse sentimento de angústia ligado a uma televisão, um notebook, e livros sinceramente parece que vai mesmo é me enlouquecer. É um ano de aflição para mim, é ano de vestibular. Eu sei que todo mundo passou/vai passar por isso na vida, mas quando você se esforça mais do que seu próprio organismo por isso, a agonia aumenta! E eu também sei dos conselhos, e de como deveria agir, isso é escolha própria. Aquela sensação de que você cometeu um crime hediondo por ter estado com alguem por amor, fecha a garganta. E são tantas coisas, sinto saudade de onde eu vim!
28 de agosto de 2013

Por muitas linhas eu me obriguei a ser trágica. E o motivo ficou tão chato para mim que foi indo embora, junto com meu desespero para com a psicose amorosa. E nessa transição veio a raiva. Percebi que quando meu sangue ferve por conseguinte as coisas acontecem mais rápidas, penso melhor. Não sei se por instinto ou se isso faz bem, porem, acredito que devo por enquanto continuar nessa linha de pensamento. No ódio acredito que somos  mais criativos, calculamos melhor cada palavra, será natural de todos? No lugar de sair batendo portas, ligar em prantos atrás de ''auto ajuda'' (sim, eu escrevi auto ajuda, acredite, era bem isso), eu simplesmente resolvi não mais engolir os desaforos. E teve uma coisa nova também, um cheiro diferente e risos sinceros que ultimamente vem me tomando uma ansiedade monstruosa. Eu sou bem infantil com esses temas, mas o que eu aprendi nesse breve intervalo de tempo foi que o tietismo sinceramente está fora de moda, se é que me entende. E se não passar de um acaso, só essa impressão de felicidade já terá sido um espaço singular. Isso me parece uma crise da crônica sobre a maturidade humana. Que inicialmente demonstra ser deveras empolgante. Todavia, indo deitar...
26 de agosto de 2013


É assustador quando a pessoa que você menos esperava te dá uma rasteira. Porem, quando você para e olha com mais calma pensa... ''Como esses seres vivem normais? Quanta falta de bom senso! Pessoas mais ridículas!'' E agora eu estou rindo pra caramba, acho que eu e o mundo. Sabe quando alguém nasce para ser a peteca do jogo? Funciona assim meu bem: Primeiro juntam-se pessoas num circulo, depois pegam você e te lançam no ar, em seguida de dão pancadas e tu não podes cair, claro que não... O que é do circo sem o palhaço? Mas o legal de jogar peteca, é que se cair dá para começar de novo até as pessoas do jogo cansarem, quando isso acontece chegam outras e fazem a mesma coisa. Então para concluir eu não me importo mais, todavia, não deixa de ser engraçado. E se causar raiva melhor ainda, é sinal de a fraqueza circula nas tuas veias.
20 de agosto de 2013


Uma madrugada que me faça pensar, uma razão que me dê motivos a coisas que quebrem a linha de raciocínio. Ser romântico dificilmente vai me ajudar agora, e me culpo (acredite) por não mais querer morrer pelo suor alheio. Sinto-me na obrigação de cumprir meus ‘’deveres’’ e não magoar nenhuma das partes, e assim, o tempo não cansa, e assim eu estou aqui exausta e obedecendo sem personalidade alguma. Sinto tanta informação ultimamente que vejo os segundos correndo, e de novo, sem cansaço. Logo, não tenho dormido muito, portanto venho perdendo o bom humor e a paciência. Eu valorizo muito a ética, e me sinto ingênua com certas situações ainda, porque me sinto só uma menina. Certas pessoas me assustam, é um povo bárbaro e sem amor próprio e para com os outros. Não vai me acompanhar, porque não deseja isso, pode ir deitar outra forma não há. Não quero levar mais bagagem, sinto fortes dores na coluna devido as minhas tentativas diárias de estudar o máximo que posso. O certo e o incerto vagam por aqui durante o passar das tais horas. E por isso, não tem mais espaço para mala nenhuma. Mas e quando eu sinto saudade? Passando o passado acho que eu mesma não sei mais o que estou fazendo. Tantas tentativas... Seja lá qual direção tudo isso siga, que eu por favor consiga pelo menos meus desejos pessoais, porque juro que estou tentando, e por mim. Contudo, atordoada, e falta ar também. Não triste, não me sinto assim, porque você ainda consegue me tirar lembranças alegres. Acredito que gente suficiente já se machucou comigo, e já enfeitaram seus  vasos vazios com minhas flores. Então não batam o martelo como se eu tivesse vendido as almas de vocês. Olhando para trás até chego admirar, mas lá na frente aparenta um horizonte atraente e tão diferente. Não posso dançar as 4:45 da manhã, mas posso me sentir com poder e ai, todos levantam e batem palmas. Porque sinceramente, eu danço muito bem se é que me entende. Depois de mais uma luta com meu  próprio organismo, é o momento de ir para cama...

Quem sou eu

Minha foto
Clara.Idade: 19.Falar a verdade não careço de muita lógica. Ou de mim se gosta ou esquece. Por gosto mesmo ficava de papo pro ar. Mas o que me faz feliz e apetece é cheiro de vinho, cabelo lavado, de escrever poesia pulando os dias, de frapê e filme iugoslavo. Qualquer dia desses faço feito Santos Dumont e construo minha casa na árvore.
Tecnologia do Blogger.

Translate

Leitores

Pensar

O que é pior: chegar ao fundo do poço ou continuar caindo?'' -Prá virar cinza minha brasa demora!
-

Pesquise

  • Mauris euismod rhoncus tortor
  • Sed nunc augue
  • Why is it needed
  • Where can I get some